Publicado em

O Caixa 2 que Brasília Precisa

Foto: Helio Montferre/ESP.CB/D.A PRESS. BRASIL. (13/10/2016)

A capital federal é o palco principal para a maior parte das negociações políticas e decisões que afetam o país. Escândalos de corrupção envolvendo propinas e caixa 2 se tornaram recorrentes nas notícias. Em meio a tantos desvios de verba pública os governantes que passaram por Brasília se esqueceram de outro tipo de caixa 2 essencial para o abastecimento da cidade. A cidade poderia ter se beneficiado de estratégias de captação de águas da chuva e águas cinzas (provenientes de torneiras e chuveiros) entre outras soluções propostas pelos especialistas em gestão da água. O caixa 1 de água já não é mais suficiente.

Por Fábio Henri e Eurico Vianna

Não foi falta de alerta nem de avisos. Há 20 anos que especialistas alertam o governo. No entanto, pouco ou quase nada foi feito para garantir o abastecimento de uma cidade projetada para 600 mil habitantes, agora com quase 3 milhões. A pergunta que se faz agora é a seguinte: de todas as pessoas impactadas pelas notícias recentes sobre a crise hídrica do DF, quantas passarão a tomar providências de preparação e prevenção para um colapso já anunciado por especialistas em todo o mundo?

Um estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado recentemente prevê que 2,7 bilhões de seres humanos – 45% da população mundial – vão ficar sem água no ano 2025. Essa situação de escassez de água se deve a uma combinação de fatores como desmatamento, uso desnecessário e exacerbado da água e um urbanismo com manejo ultrapassado e não sustentável da água. Com base nesse estudo a ONU recomenda que o consumo de água seja em torno de 110 litros por pessoa por dia. Enquanto na maioria das regiões mais pobres o brasileiro consome entre 150 a 250 litros de água por dia. A classe média chega a consumir uma média de 500 por pessoa por dia. Em lugares como o Lago Sul em Brasília, o consumo médio é de mais de 1000 litros por pessoa por dia.

A boa notícia é que com a adoção de práticas regenerativas e a coleta e manejo sustentável da água da chuva, a quantidade de chuva que cai no DF (aprox. 1600 mm/ano) seria capaz de abastecer toda a população durante os meses de seca.

Em vários países ao redor do globo, algumas pessoas com o olhar para o desenvolvimento de comunidades resilientes e uma vida harmônica com a natureza encontraram a solução na permacultura. Por meio de captação da água da chuva e práticas regenerativas de plantio e cultivo, essas pessoas tem produzido alimentos de alta qualidade sem o uso de agrotóxicos enquanto recuperam os solos degradados, reflorestam áreas desmatadas e reabastecem os lençóis freáticos.

Nos arredores de Brasília, a Fazenda Bella utiliza métodos que se harmonizam com a natureza para produzir alimentos que vão além do conceito ‘orgânico’. Parte da missão da equipe à frente da Fazenda é a disseminação do design e das práticas regenerativas. Entre os meses de Junho e Julho a Fazenda Bella realizará uma série de cursos e palestras com o permacultor, mestre de Capoeira e sociólogo Eurico Vianna. Eurico reside na Austrália onde fundou a  Holos: School of Regenerative Design, uma escola dedicada ao desenvolvimento comunitário por meio de práticas como a Permacultura, a Agricultura Sintrópica e o Gerenciamento Holístico.

Os cursos e palestras na Fazenda Bella apresentarão estudos de caso de práticas regenerativas de sucesso em várias partes do mundo com o objetivo de equipar os participantes com os princípios, conhecimento e técnicas necessários para quem deseja fazer parte de um comunidade que não apenas se preocupa com a crise hídrica, mas deseja colocar a mão na terra e em seus telhados para aprender a captar água da chuva seja para fins urbanos ou rurais.

O primeiro curso “Introdução a Permacultura” envolve uma série de exercícios guiados, aulas teóricas, práticas e estudos de caso na Fazenda Bella para que os participantes aprendam a desenhar e implementar seus próprios sistemas de produção alimentar de maneira regenerativa e em harmonia com o meio ambiente. Esse curso também abordará questões atuais importantes como coleta e manejo sustentável de água, uso de fontes de energia renováveis e tecnologias apropriadas e o uso da Bio-construção para edificação de moradias verdadeiramente sustentáveis.

O segundo curso, “Introdução a Agricultura Sintrópica“, será ministrado por Eurico Vianna, Osmany Segall e Helber Queiroz. Esse curso foca mais especificamente na produção de alimentos e madeira dentro de Sistemas Agroflerestais (SAFs) de acordo com a abordagem de Ernst Gotsch. Em ambos os cursos os participantes ficarão acampados na Fazenda Bella e poderão acompanhar de perto como funcionam as SAFs e a produção de alimentos que vão muito além do conceito ‘orgânico’.

Uma das maiores lições compartilhadas nas palestras e cursos é de que a viabilidade econômica pode, e deve, caminhar em harmonia com a restauração de nossos ecossistemas.

O time de educadores da Fazenda Bella também presta serviços de consultoria em Permacultura, Agricultura Sintrópica (SAFs de acordo com a abordagem de Ernst Gotsch) e Bio-construção para clientes que precisam de suporte para implementar práticas regenerativas e resilientes em suas propriedades ou comunidades (urbanas ou rurais).

Como parte do programa de treinamento e reciclagem da Fazenda Bella, nosso time de facilitadores ministrará as palestras e cursos juntamente Eurico Vianna. Entre um curso e outro, os participantes dos cursos também poderão se inscrever em um programa de estágio na Fazenda Bella para adquirir experiência prática sob a orientação do nosso time de facilitadores.

Leia também:

Os 8 Princípios para Coleta de Água da Chuva

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *